Roteiro Cultural – Sé

Dando continuidade à fase aproveite sua cidade, hoje a proposta é aproveitar a Sé em São Paulo e fizemos um roteiro cultural! A Sé é globalização, é tradição, é cultura e vale conhece-la.

Exemplos rápidos do que você pode aproveitar por lá:

-          Pegar o metro na estação mais lotada do planeta, digo, movimentada do Brasil-sil-sil
-          Comprar e vender ouro
-          Comer um churrasquinho grego por R$ 2,00 com suco grátis (coisa fina)
-          Ouvir um Repente 
-          Saber seu futuro com gentis ciganas que se dispõe a ler sua mão (cuidado apenas se falarem que vai ter piscina na sua casa)
-          Ouvir música tradicional de legítimos índios bolivianos
 
Enfim, a Sé é animação total!  É para te ajudar que vou contar como foi minha experiência na Sé e dar dicas para você montar um roteiro cultural bacana, localizado no marco zero dessa nossa selva de pedra!

Bom, primeiramente indico que você utilize o transporte público, eu fui de Metrô. Assim que sai da catraca um jardim lindo me deu boas vindas. Vale acalmar sua mente, respirar e olhar para a escultura amarela que está instalada ali, poucos aproveitam essa paisagem. Ao fundo você consegue ver a Catedral.

Eu tinha que resolver umas pendengas por ali e depois fiz um roteirinho cultural. Está preparado(a) para bater perna? Vamos lá!

1ª Parada – Catedral da Sé

Você sabia que a Catedral da Sé é inspirada na Catedral de Notre Dame? Seu impactante estilo neo-gótico te arrebata no exterior e no interior da catedral. A arquitetura gótica tem como objetivo fazer que a gente se sinta pequeno em relação as dimensões da igreja, para temermos a grandeza de Deus, e isso acontece na catedral. Ela é enorme, cheia de detalhes e está muito bem conservada. Bons observadores (independente de religião) podem ficar ali algum tempo descobrindo detalhes novos por todos os cantos que olhar. Vi no site oficial da Catedral que existe visita monitorada, deve ser demais.

Momento Nerd: Você sabe por que uma igreja é chamada de catedral? Catedral deriva do latim cathedra, que significa cadeira. Catedral é a igreja que possui uma cadeira fixa (sede) para o Bispo (figura muito importante para a igreja católica).

2ª Parada – Marco zero de São Paulo.

Saindo da catedral você vai encontrar o marco zero da cidade, que é um monumento geográfico hexagonal que marca as distâncias das cidades próximas a São Paulo. Logo a frente tem a estátua do padroeiro, que é… adivinhem… é São Paulo!

3ª Parada – Comprar e vender ouro (optativa)

Brincadeira, é só comprar ouro! Se você quiser caroçar um pouco, a rua Barão de Paranapiacaba (saindo da catedral, essa rua fica do lado esquerdo da praça) é o esquema das jóias, semi-jóias e afins. Não sei dizer quanto a qualidade, mas você consegue encontrar coisinhas interessantes e bonitas.

4ª Parada – Caixa Cultural

Saindo da catedral, siga pra a praça da Sé, a Caixa Cultural fica à direita, é um prédio com colunas de mármore preto. A Caixa está com exposições muito boas, vale ir em todos os andares e observar o vitral que tem símbolos da constituição do Brasil. Eu amei e deu dó de ir embora, queria ficar mais umas catorze horas por lá.

Térreo: Expo Luzart – Entre sonhos e recôncavo

Artista baiano me deixou encantada com seus quadros realistas, eu não o conhecia e virei fã. As telas são de uma competência muito impressionante e te hipnotizam. Super indico!

1º andar: Marcio Périgo – Caos Aparente, Obra gráfica

Márcio é um artista de São Paulo e explora a escuridão de seu ateliê em suas gravuras. Imagens muito delicadas surgem através da sua percepção da luz. Dá pra ter uma ideia da expo no site do artista. Vale ler os livros sobre o artista que estão expostos também, ajudam a entrar no clima das obras.

2º Andar: Paulo Sayeg – Mikron, percurso gráfico em três décadas

Sayeg é desenhista, pintor e programador visual também de São Paulo. A exposição conta com 200 desenhos de pequeno formatos, estudos e gravuras. Dá vontade de ficar lá e copiar os desenhos (rs).

Caixa Cultural
Praça da Sé, 111
Telefone: (11) 3321-4400
De terça a domingo, das 9h às 20h
As exposições vão até o dia 24/02
 

5ª Parada – Centro Cultural Banco do Brasil

Saindo do prédio da Caixa Cultural você vai para a rua XV de Novembro segue nela e vira a esquerda na rua da Quitanda (essa ruazinha fica em frente a uma agência do Itaú), subindo ela você vai ver um banco do lado esquerdo que tem um dos pés feitos com um calço de livros, sobe  a ruazinha e vira a direita. Você chegou ao seu destino!

Em comemoração ao 50 anos do  do cineasta norteamericano Quentin Tarantino, o CCBB está com a mostra Mondo Tarantino que é  uma retrospectiva cinematográfica completa do diretor, e também apresenta filmes nos quais ele tem crédito como ator, produtor ou roteirista, além de uma seleção exclusiva de filmes que o influenciaram e são citados ou parodiados em sua obra. A entrada é gratuita, vale entrar no site, ver datas e horários e se programar!

Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Álvares Penteado, 112 
Telefone: (11) 3113-3649
De terça a domingo, das 9h às 21h

 

6ª Parada – Deu fome?

Sim, existe outra coisa além de churrasquinho grego no centro de São Paulo. Se você seguiu até o CCBB, na rua da Quitanda tem o Restaurante Bancários, que é muito gostoso, o salmão de lá é muito bom! Ou você pode voltar para a XV de Novembro, seguir reto até sair na Praça Antônio Prado, a praça é super charmosa, tem um coreto e uns espaços para telefones públicos no mesmo estilo do coreto. Na praça tem o bar/restaurante Cervejaria São Jorge que na minha opinião é bem gostoso, tem ótimas caipirinhas que são servidas com sorvete.

Restaurante Bancários
Rua da Quitanda, 92
Telefone: (11) 3106- 4701
 
Cervejaria São Jorge
Praça Antônio Prado, 33
telefone: (11) 3107-0123 
 

7ª Parada – Edifício Altino Arantes

Sabe a torre do Banespa? O Banespão? Então, a torre abrigava o extinto Banespa se chama Edifício Altino Arantes e fica na praça Antônio Prado. É só descer a rua João Brícola e ele fica a direita. Só pode subir durante a semana, mas se você não for subir, vale dar uma olhada no lustre enorme que tem no hall de entrada. Para ir embora daqui você pode pegar o Metrô na estação São Bento, que fica pertinho da torre.

Rua João Brícola, 24
Tel.: (11) 3249-7180
De segunda a sexta, das 10h às 15h - Grátis

 

8ª Parada – Só para as fortes

Bom, você chegou até aqui e ainda tem pique para andar? Saindo da torre você segue em frente e estará a beira da loucura. Descendo a Ladeira Porto Geral fica a rua 25 de Março! Aí, querida leitora… é muvuca e coisas baratas. Se for corajosa, vale ir dar uma caroçada e depois voltar pelo metrô na estação São Bento que fica na ladeira.

Mapa do roteiro:

 

Mapa Sé Cultural

Mapa Sé Cultural

O post ficou longo então deixei as fotos na galeria. Elas estão na ordem do roteiro.

Aquele abraço!

 

 

Thereza Simões (68 Posts)

PUBLICITÁRIA COM ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DA ARTE. Sofredora de Esquizofrenia Poética, que por sorte é um mal sem cura, busco conectar as artes com o que rola na sala de aula, nas ruas, em exposições e na vida. Arte é mais simples do que você imagina, a gente que complica. Respostas prontas para ela não existem, e por isso me atrevo a compartilhar conteúdos e tentar despertar a curiosidade de mais pessoas.